Melhor visualizado na
resolução 1024 x 768px

Bem vindos ao EH Nutri - Artigos de Qualidade para uma Nutrio Diferenciada !
   SNDROME PR-MENSTRUAL
  Enviar por e-mail

Por: Dra. Danielle Braga - Nutricionista

Os sintomas mais frequentemente relatados por grande parte das mulheres no perodo pr-menstrual so: irritabilidade, cansao, depresso, cefalia, mastalgia (dor nas mamas) e dores no abdme, pernas e costas.

Os critrios para diagnstico da sndrome pr-menstrual so:

- aumento de 30% na intensidade dos sintomas da sndrome entre os dias 5 a 10 do ciclo, antes da menstruao;

- comprovao dessas mudanas em um dirio de sintomas por, pelo menos, dois ciclos consecutivos;

- pelo menos um dos seguintes sintomas somticos e emocionais durante os 5 dias anteriores menstruao em cada um dos trs ciclos anteriores:


* Sintomas Emocionais: depresso, exploso de raiva, irritao, ansiedade, confuso, isolamento social, disforia;

* Sintomas Somticos: dor abdominal, mastalgia, enxaqueca, edema nas extremidades;

* Alvio dos sintomas entre os dias 4 e 13 do ciclo menstrual.


A fadiga tem sido atribuda ocorrncia de hipoglicemia, alterao no equilbrio das prostaglandinas e disfuno tireoidiana. J a depresso tem sido associada deficincia de vit. B6 e serotonina. A enxaqueca, associada a um distrbio na transmisso serotoninrgica e a mastalgia pode ser conseqncia da elevao nos nveis de prolactina.

Tratamento sugerido: terapias de relaxamento, descanso adequado, prtica de atividade fsica aerbica regular, mudanas dietticas e suplementao alimentar. Tudo vai depender da intensidade dos sintomas.

Nesta fase, muitas mulheres apresentam aumento no consumo de carboidratos, principalmente os simples (sacarose) em comparao ao perodo ps-menstrual. Estudos demonstram que os nveis de serotonina em mulheres com sndrome pr-menstrual so mais baixos do que em mulheres saudveis.

Alm disso esses sintomas podem ser agravados na deficincia de triptofano, um aminocido precursor do neurotransmissor serotonina, que para ser transportado para o crebro precisa de nutrientes que influenciem a sua disponibilidade cerebral. Assim, a ingesto de triptofano ou de alimentos que aumentem sua disponibilidade para os neurnios serotoninrgicos poder estimular a taxa de converso em serotonina.

Como a suplementao de triptofano no indicada, podemos utilizar os alimentos fontes de triptofano como arroz integral (90mg/100g), po integral (60mg/100g), leite ( 50mg/100g), tmaras (49mg/100g), iogurte (45mg/100g), soja (45mg/100g), nozes (45mg/100g), lentilha (25mg/100g), entre outros. A ingesto de carboidratos tambm estimula a passagem do triptofano pela barreira hematoenceflica, por isso muitas mulheres apresentam um aumento na vontade de consumir carboidratos neste perodo, provavelmente relacionado necessidade de aumentar o triptofano no sangue, com o consequente aumento na sntese de serotonina e melhora do humor.

Porm, o consumo excessivo de carboidratos (CHO) simples tem sido associado com distrbios de humor, edema e fadiga. Dessa forma, deve-se priorizar o consumo de CHO integrais. recomendado que nesse perodo as mulheres consumam refeies pequenas e freqentes, ricas em CHO integrais com o objetivo de reduzir a tenso e depresso.

Suplementos (utilizados durante a fase ltea- 2metade do ciclo):

Vitamina B6: atua como co-fator na formao da serotonina, sendo utilizada para obter resultados benficos sobre as alteraes de humor. E baixos nveis de B6 levam a altos nveis de prolactina, causadora de edema e sintomas psicolgicos. As suplementaes tem sido de 10 a 50 mg/dia .O consumo de suplementos de B6 tm promovido alvio geral dos sintomas, alm de diminuir a depresso associada.

Vitamina E: Pode aliviar os sintomas, como ansiedade e sensibilidade mamria, por meio de seus efeitos na sntese de prostaglandinas ou na regulao dos neurotransmissores centrais. A dose de 400 UI promoveu melhoras de sintomas emocionais e somticos, e sobre a mastalgia durante a fase ltea.

Clcio: observou-se quantidades menores de clcio no sangue (hipocalcemia) de mulheres que tm a sndrome pr-menstrual em relao quelas assintomticas. H uma similaridade entre os sintomas dessa tenso e da hipocalcemia: fadiga, ansiedade, depresso, distrbios de personalidade, irritabilidade, obsesso, entre outros. Dessa forma a suplementao de clcio tambm pode ser efetiva no tratamento da sndrome pr menstrual, em cerca de 1000mg/dia de carbonato de clcio.

E aps o 3 ciclo j se observam melhoras significativas dos sintomas de depresso, reteno de lquidos, dores e compulso alimentar. importante observar que a sndrome pr menstrual pode ser um indicador clnico dos baixos nveis endgenos de clcio e risco aumentado de osteoporose em mulheres jovens. At mesmo porque mulheres em idade frtil tm apresentado um consumo de clcio bem abaixo do que a recomendada, entre 607 e 809 mg/dia.

Magnsio: outro importante mineral tambm envolvido na atividade da serotonina e de outros neurotransmissores, na contrao vascular, na funo neuromuscular e na estabilidade da membrana celular; sua deficincia poder influenciar a sndrome pr menstrual por diversas vias. O cuidado que se deve ter com a suplementao no ultrapassar 350mg/dia, para que no cause efeitos colaterais como diarria osmtica. Em doses seguras ele pode ser um importante coadjuvante no tratamento da sndrome.

Mangans: Estudos observaram que mulheres com baixo consumo de mangans apresentam mais sintomas de mau humor e dor. Dessa forma, embora a suplementao ainda no tenha sido reconhecida, alguns trabalhos sugerem que 6 mg/dia pode ser eficiente.

cidos graxos de cadeia longa: aps a ingesto do cido graxo mega 3, ele sofre reaes de desnaturao e elongado para formar cidos graxos de cadeia longa com 20 e 22 carbonos altamente insaturados EPA e DHA, e ao final dessas reaes a formao de prostaglandinas antiinflamatrias, entre outras funes. Para essa converso alguns nutrientes como o magnsio, piridoxina (B6), zinco, niacina (B3), e cido ascrbico (vit.C) no podem faltar.

Muitas mulheres com deficincias nessa converso no conseguem transformar o cido linolico a cido gama-linolnico. Por isso alternativas como o leo de prmula, rica no cido graxo gama linolnico tem sido indicado para reduo dos sintomas da sndrome menstrual. As recomendaes variam de 3 a 6 g /dia, tomando - se o cuidado que o uso a longo prazo pode estar relacionado com risco de inflamao, trombose e imunossupresso.

O leo de borrage tambm tem sido utilizado em substituio ao leo de prmula pois mais rico em cido gama linolnico, porm com os devidos cuidados porque essa planta apresenta um alcalide txico que pode contaminar o leo.

Outras recomendaes:

Reduo no consumo de sal, acar, cafena, produtos lcteos e lcool pode ajudar na diminuio da reteno de lquidos, irritabilidade e clicas.

A prtica regular de exerccios aerbicos tambm est associada a menores chances de tenso pr-menstrual, pois este aumenta os nveis de endorfinas associados com melhora de humor. Os efeitos so maiores aps o terceiro ciclo.

CONCLUSO: a suplementao diettica pode ser de grande valor na reduo dos sintomas da sndrome pr menstrual, especialmente quando os sintomas so mais leves e no necessitam de teraputica farmacolgica. Modificaes positiva nos hbitos alimentares e estilo de vida podem ser considerados como os primeiros tratamentos para a sndrome. Quando no for possvel a manuteno de dietas nutricionalmente completas, o uso de suplementos de vitaminas e minerais pode ser fazer necessrio para o controle dos sintomas.

Ressalta-se que a prescrio de suplementos nutricionais so de responsabilidade do nutricionista e devem ser avaliados com bastante critrio caso a caso.


Referncia Bibliogrfica:

Paschoal, V e Fonseca, A.P.B.L. Sindrome Pr Menstrual. Tratado de Alimentao, Nutrio e Dietoterapia. Ed Rocca, 2007.

                                                                                                <<< Voltar


   
Copyright© 2006-2009 - EhNutri   -   Design by MedMarketing   -   DHTML JavaScript Menu Courtesy of Milonic.com